Festa da Penha 2016

Arcebispo Metropolitano de Vitória Dom Luiz Mansilha Vilela, na abertura da Festa da Penha 2016

Aspecto do grande público na abertura dos festejos de Nossa Senhora da Penha 2016.

Dom Sevilha (de óculos) Bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória  

Diversos Páracos da Grande Vitória na Missa de Abertura da Festa da Penha 2016

Depois de seis anos  como guardião chefe da Comunidade Franciscana no Convento de Nossa Senhora da Penha em Vila Velha, no Estado do Espírito Santo, o Frei Valdeci Schwambach (foto), está deixando o posto e se transferindo para São Paulo. Será substituído por Frei Paulo, atualmente titular do Santuário de Nossa Senhora da Penha principal Igreja Católica da Cidade de Vila Velha. 

Erguido entre as tradicionais e centenárias palmeiras, o Terço Gigante chama a atenção dos milhares de fiéis que estão visitando o Convento da Penha durante os festejos 2016 da Padroeira dos Capixabas, Nossa Senhora da Penha. 

A imagem de Nossa Senhora (foto) vinda de Portugal, em 1570, mostra NOSSA SENHORA DA PENHA DE FRANÇA, que foi encontrada na Serra de França, situada na Espanha, próximo a Salamanca, no século XV. Local de origem do espanhol Pedro Palácios.

Irmão Leigo (sem ordens), “Frei” Pedro Palácios, era ligado aos Capuchinhos na Custódia Portuguesa da Arrábida, onde os religiosos se consagravam à penitência e ao eremitério.

Nossa Senhora da Penha de França, na verdade, está relacionada às PENAS (sofrimentos) de Nossa Senhora: profecia de Simeão, fuga para o Egito, perda de Jesus no Templo, morte de seu filho na cruz, sepultamento de Jesus. Até os anos 1980, em cada curva da estrada velha do Convento, conhecida como “Ladeira da Penitência”, existia uma cruz pintada de azul, e, em cada uma delas, estava escrita uma das PENAS de Nossa Senhora.  

A versão de “Penha” como “pedra”, se deve às escarpas íngremes da Serra de França, local na Espanha, onde Carlos Magno combateu e deteve o avanço dos mouros na Europa.

O painel com Nossa Senhora dos Prazeres, ou Nossa Senhora das Alegrias, trazido por Palácios, em 1558, é a pintura mais antiga exposta ao público nas Américas. Contrasta com a imagem vinda de Portugal, doze anos depois, para a primeira Festa da Penha, em 1570, que se refere aos sofrimentos de Nossa Senhora.

A primeira romaria de devotos aconteceu em 1573, promovida por dois jesuítas que escaparam de um naufrágio.

 

FESTA DA PENHA

A Festa da Penha é a festa religiosa mais tradicional das Américas. Acontece há 446 anos, desde 1570. Falhou apenas dois anos (1938/39), proibida na fase mais negra da ditadura de Getúlio Vargas.

Quando Frei Pedro Palácios chegou ao Espírito Santo (1558), conventos gozavam de enorme prestígio. Dois anos antes, Carlos V, o maior líder político do mundo naquele tempo, Imperador do Sacro Império Romano, havia abdicado em favor de seu irmão e filhos. Viúvo retirou-se da vida pública, ingressando num convento.

Para celebrar a primeira festa, Pedro Palácios mandou buscar em Portugal a imagem de Nossa Senhora da Penha, ainda venerada no altar-mor. Em uma caixa chegaram a cabeça, as mãos e o Menino Jesus. O frade improvisou o corpo com madeira da mata e pôs-lhe vestido e manta.

Em 1653, o Menino foi levado por saqueadores holandeses. Só voltou ao colo da Mãe após entendimento com Pernambuco, local onde foi abandonado pelos sequestradores.

As principais obras, conferindo à igreja imponência de castelo, foram realizadas do séc. XVII ao XIX, a expensas do fluminense Salvador Correa de Sá e Benevides. Em 1652, ele fez doação de “ordinária anual de trinta cabeças de gado”, mantida por seus descendentes até 1846. Em agradecimento, o Prelado-Mor da Bahia concedeu-lhe e aos descendentes o título de “Padroeiros Venturosos do Convento”. Durante quase 200 anos os festejos da Penha só começavam com a chegada da Romaria de Campos, vinda por mar.

O Convento alcançou o aspecto atual no princípio do séc. XX, quando ganhou (após tombamento pelo Iphan) a grande chaminé da fachada norte.

O altar-mor, em mármore de Carrara, foi benefício do paulista Cícero Bastos ao genro, governador Jerônimo Monteiro, autor do “Veto da Penha” (vetou, em decorrência da Constituição Republicana que separou a Igreja do Estado, uma ajuda financeira ao Convento, aprovada na Assembleia Legislativa e apoiada pelo povo). A decisão foi dificílima, deu falatório. O Bispo do Espírito Santo era seu irmão e conselheiro.

Na preparação do altar para a inauguração (1910), a família do governador tomou para si o encargo. Quando foram arrumar a imagem de Nossa Senhora da Penha, viram que ela estava careca. Havia sobre sua cabeça apenas lenço e coroa. Uma cabeleira foi providenciada: cortaram as tranças de uma das sobrinhas do governador. A menina chorou, mas foi consolada pela babá que garantiu: “Não chore minha fia. Você deu o cabelo, ela lhe dará boa cabeça.”

A menina era Maria Stella de Novaes, nossa cientista maior, historiadora, escritora, educadora, pintora e iniciadora de Augusto Ruschi nos mistérios das orquídeas, o que o levou aos (polinizadores) beija-flores e daí à ecologia.

São diferentes os motivos que conduzem ao Convento da Penha. Prevalece o espírito religioso buscando um lugar para orar. Alguns sobem o morro para apreciar belas paisagens; outros buscam referências geográficas para facilitar seus movimentos nas cidades próximas. Estudiosos e curiosos apreciam a arquitetura, as esculturas e as pinturas.

Entre as pinturas destaca-se “N. S. das Alegrias”, tela que há mais tempo está exposta ao público nas Américas. Provavelmente obra do Mestre de Santa Auta (Portugal), trazida por Pedro Palácios em 1558.

A Festa da “Virgem de Guadalupe”, padroeira do México e da América Latina (1945, só foi instituída em 12 de dezembro de 1754, embora a imagem da “Virgem de Guadalupe”, milagrosamente estampada (vários especialistas afirmam não ser uma pintura) sobre poncho de tilma (tecido frágil feito com fibras de agave), tenha sido apresentada ao Bispo, em 1531, pelo índio São Juan Diego, proclamado santo por João Paulo II.

Desde 1570 comemoramos a Festa da Penha. Ela é a festa cristã pioneira da América.


Kleber Galveas, pintor Tel. (27) 3244 7115 www.galveas.com ateliê@galveas.com abril/2016

A bonita e bem cuidada Paróquia da foto, pertence a Comunidade do bairro Santos Dumont no município de Vila Velha, Estado do Espírito Santo.

THIAGO PEROVANO 

PRISCILA PEROVANO

Diretor Artístico

Arte/Logomarca

Direção Geral:  Jornalista GUARACY SILVA 

Reg. FENAJ 0096 ES

Contato: (27) 9 9288-9133